PROJETO AFRO ASSINA CURADORIA DE PROGRAMAÇÃO ESPECIAL DO MÊS DA CONSCIÊNCIA NEGRA

por Projeto Afro

27 de outubro de 2020

As atividades online serão realizadas pelas Oficinas Culturais de São Paulo

O Projeto Afro assina a curadoria de uma programação especial online no Mês da Consciência Negra realizada com as Oficinas Culturais de São Paulo. Entre os dias 04.11 e 07.12.2020, o público poderá participar de uma série de encontros, com foco nas mais diversas linguagens artísticas, ampliando a atuação do Projeto para além da plataforma online. As atividades acontecem ao longo do mês de novembro, continuando no início de dezembro.

A programação é dedicada às discussões de temas como Arte e Educação, Cultura e Sociedade, Literatura e Moda. Todos os eventos foram pensados a partir do protagonismo negro, com pesquisadores, agentes culturais e artistas que têm mobilizado as discussões que perpassam os temas propostos. A curadoria foi concebida pelo Projeto encabeçado pelo jornalista e pesquisador Deri Andrade.

O ciclo de seis debates, todos online, será inaugurado com o encontro “Entre Linhas e Pincéis: indumentárias na arte de autoria negra”, com a pesquisadora Hanayrá Negreiros e mediação de Deri Andrade, no dia 04.11, quarta-feira, das 19h30 às 20h30. A atividade destaca a estética de trabalhos de artistas mapeados/as/es pelo Projeto Afro, com foco na questão da indumentária presente nas obras.

“Circuito Digital: monumentos de São Paulo e o debate antirracista”, com o jornalista Guilherme Soares Dias, mediação de Deri Andrade, acontece no dia 10.11, terça-feira, das 19h30 às 20h30, e propõe um tour virtual pelos monumentos de São Paulo, levantando questões sobre o debate antirracista a partir de uma perspectiva sociocultural.

A atividade “Diálogos contemporâneos sobre arte e sociedade” será realizada em três encontros, com os pesquisadores Deri Andrade, Leonardo Fabri e  Wallesandra Souza Rodrigues, nos dias 13, 20, Dia da Consciência Negra, e 27.11, sextas-feiras, das 19h30 às 20h30. Os encontros instigam o público ao debate de uma perspectiva das obras de artistas mapeados pelo Projeto, com temas como branquitude, genocídio da população negra e lugar da mulher negra na sociedade brasileira.

Já “Trilha histórica do Mês da Consciência Negra: os fatos que marcaram o movimento negro”, ministrado também por Deri Andrade e Leonardo Fabri, acontece no dia 25.11, quarta-feira, das 18h às 20h. O debate resgata alguns fatos importantes que culminaram com a criação do Dia da Consciência Negra no Brasil.

Entrando no mês de dezembro, no dia 04.12, sexta-feira, das 18h às 20h, é a vez da atividade “Literatura e fantasia negra: histórias de afeto e afrofuturismo”, com a empreendedora Ketty Valencio e a escritora Lu Ain-Zaila, mediação de Deri Andrade. A proposta debaterá sobre afrofuturismo na literatura a partir da obra de Ain-Zaila, apresentando importantes ações no campo literário, como a criação da Livraria Africanidades, de Valencio.

Fechando o ciclo, no dia 07.12, segunda-feira, das 18h às 20h, teremos “Encontros afro-diaspóricos: a performance como dispositivo da oralidade”, com a artista e curadora Ana Beatriz Almeida, mediação de Deri Andrade. A partir de uma perspectiva decolonial de transmissão de conhecimentos no campo da performance, a artista apresentará sua pesquisa sobre as tradições corporais negras das comunidades do Baba Egun e da Irmandade da Boa Morte.

A programação foi articulada em parceria com a tatu cult, consultoria criativa que busca respostas inesperadas para perguntas comuns. Para tanto, aplica boas práticas em inovação na diversificação de fontes de recursos e gestão de pessoas, encaradas como frentes complementares na construção sustentável da Economia Criativa. A parceria com o Projeto Afro é intrínseca ao propósito social da consultoria, que estabeleceu no cerne de sua criação a urgência no compartilhamento de soluções com projetos que visibilizem as minorias representativas.

Confira a programação completa abaixo:

Hanayrá Negreiros. Foto: Felipe Torres/Divulgação

Entre linhas e pincéis: indumentárias na arte de autoria negra

com Hanayrá Negreiros, mediação Deri Andrade

O evento destaca a estética em trabalhos de alguns artistas negros/as/es mapeados pelo Projeto Afro, com foco na questão da indumentária presente nessas obras. A discussão abordará a pesquisa proposta por Hanayrá Negreiros, destacando a imagem da indumentária no resgate de importantes movimentos artísticos que perpassam os períodos históricos da luta negra.

04.11 – quarta-feira – 19h30 às 20h30

Atividade online

Inscrições: 21.10 a 02.11

Vagas: 50

Indicação: maiores de 18 anos

Link da inscrição

Hanayrá Negreiros é pesquisadora independente em Moda, História Cultural e práticas curatoriais e mestre em Ciência da Religião pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atualmente é professora convidada no MASP Escola e no Adelina Instituto e assina a coluna mensal Negras Maneiras na revista ELLE Brasil.

 

Circuito digital: monumentos de São Paulo e o debate antirracista

com Guilherme Soares Dias, mediação Deri Andrade

A atividade será realizada com um tour virtual pelos monumentos de São Paulo, começando pelo Monumento às Bandeiras (Parque Ibirapuera) e sua relação com a obra do artista Jaime Lauriano (mapeado no Projeto Afro), passando pela Estátua da Mãe Preta (Largo do Paissandú) e finalizando na estátua de Luiz Gama (Largo do Arouche), com a participação de Guilherme Soares Dias, jornalista do Guia Negro Viagens. Após o levante da luta antirracista, nos desdobramentos da morte do estadunidense George Floyd pela polícia dos EUA, as discussões e debates sobre racismo estrutural chegaram de vez nas redes sociais e nos canais de comunicação. O assassinato de Floyd despertou também uma onda de derrubadas de monumentos e estátuas, ditas racistas, em cidades ao redor do mundo. O encontro, ministrado por Guilherme Soares Dias, sugere debatermos os monumentos paulistanos de uma perspectiva sociocultural, trazendo a pauta para o debate com a participação ativa do público. Derrubar ou não derrubar as estátuas?

10.11 – terça-feira – 19h30 às 20h30

Atividade online

Inscrições: 21.10 a 08.11

Vagas: 50

Indicação: 14 anos

Link da inscrição

Guilherme Soares Dias, editor do site Guia Negro, é jornalista, empreendedor e amante de viagens. Fez uma viagem em 2016 por países dos cinco continentes, retratada no livro Dias pela Estrada. É sócio da Black Bird Viagem, escreve para veículos como Alma Preta, Revista Trip, Agora SP, UOL, além de programa de entrevista exibido no Youtube do Catraca Livre.

Guilherme Soares Dias. Foto: Divulgação

Diálogos contemporâneos sobre arte e sociedade

com Deri Andrade, Leonardo Fabri e Wallesandra Souza Rodrigues

A atividade consiste num ciclo de três encontros nos quais, por meio de imagens de obras de arte pré- selecionadas, discutiremos as múltiplas dimensões das dinâmicas raciais no Brasil e suas repercussões nas mais variadas esferas da vida. As atividades foram pensadas para pesquisadores, artistas, educadores, criadores e público em geral, visando realizar uma mediação entre participantes e a temática étnico- racial. A arte visual, nesse contexto, funciona como o vetor para os inúmeros entendimentos do lugar social do negro no Brasil.

13 a 27.11 – sextas-feiras – 19h30 às 20h30

Atividade online

Inscrições: 21.10 a 11.11

Vagas: 50

Indicação: maiores de 18 anos

Link da inscrição

Deri Andrade, alagoano radicado em São Paulo, é jornalista (Centro Universitário Tiradentes – Unit), com especialização em Cultura, Educação e Relações Étnico-raciais pelo CELACC – Centro de Estudos Latino Americanos sobre Cultura e Comunicação (USP), onde aprofundou suas pesquisas sobre arte afro-brasileira. Desenvolveu a plataforma Projeto Afro, resultado de um mapeamento de artistas negros/as/es em âmbito nacional.

Leonardo Fabri é Mestrando em Administração Pública e Governo pela Fundação Getúlio Vargas – EAESP FGV , Sociólogo e Cientista Político formado pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo – FESPSP. Cursou Produção Cultural na Fundação Armando Alvares Penteado – FAAP (inconcluso) e Arte Dramática no Senac Lapa Scipião. Atuou como pesquisador na Oxford University Press do Brasil, na Fundação Perseu Abramo, no Laboratório de Educação e no GVces. Como Relações Institucionais e produtor teve passagem pela Editora Boitempo, onde mantém uma coluna. Atualmente é Consultor no Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades – CEERT, concentrando suas pesquisas em desenvolvimento econômico, desigualdades estruturais, políticas públicas e ações afirmativas.

Wallesandra Souza Rodrigues é Cientista Social, graduada pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo – FESPSP e mestranda em Ciências Humanas e Sociais na Universidade Federal do ABC – UFABC. Pesquisadora no grupo Resistências: controle, memória e interseccionalidades da UFABC. Já atuou como professora voluntária de Sociologia em cursinho livre, educadora voluntária em roda de leitura em presídio feminino e coordenando projetos de impacto social no terceiro setor.

Deri Andrade, Leonardo Fabri e Wallesandra Souza Rodrigues. Fotos: Divulgação

Trilha histórica do mês da consciência negra: os fatos que marcaram o movimento negro

com Deri Andrade e Leonardo Fabri

Apresentação dos principais fatos históricos das últimas décadas, que culminaram no Mês da Consciência Negra no Brasil e na criação da data de 20 de Novembro, Dia da Consciência Negra, feriado em algumas cidades brasileiras. Leonardo Fabri, sociólogo e cientista político, e Deri Andrade, do Projeto Afro, debatem as datas, reativando a importância de lembrá-las para entendermos as atuais discussões sobre a luta antirracista, apresentando um panorama histórico e relevante dos fatos, relacionando com obras de alguns artistas mapeadas pelo Projeto Afro.

25.11 – quarta-feira – 18h às 20h

Atividade online

Inscrições: 22.10 a 16.11

Vagas: 100

Indicação: maiores de 16 anos

Link da inscrição

Ketty Valencio e Lu Ain-Zaila. Fotos: Divulgação

Literatura e fantasia negra: histórias de afeto e afrofuturismo 

com Ketty Valencio e Lu Ain-Zaila, mediação Deri Andrade

A proposta sugere um debate sobre afrofuturismo na literatura, ao ponto que apresenta importantes ações no campo literário, como a criação da Livraria Africanidades, de Ketty Valencio. Além da empreendedora, o encontro terá a participação de Lu Ain-Zaila, escritora de livros que tratam de afrofuturismo, ficção e fantasia. Como a literatura pode ser uma importante catalizadora de ações efetivas no combate ao racismo? Em um momento em que o setor literário passa por uma difícil e real possibilidade de taxação de livros, o encontro torna-se ainda mais importante para repensar os rumos da área neste atual cenário.

04.12 – sexta-feira – 18h às 20h

Atividade online

Inscrições: 22.10 a 19.11

Vagas: 100

Indicação: maiores de 16 anos

Link da inscrição

Ketty Valencio é bibliotecária e livreira. Formada em Biblioteconomia pela FESPSP, possui especializações em Bens Culturais pela FGV/SP e em Gênero e Diversidade na Escola pela UNESP. Proprietária da Livraria Africanidades, empreendimento de pequeno porte nascido em 2013, com formato de loja virtual e física, que tem um acervo especializado em literatura negra e feminista.

Lu Ain-Zaila é Luciene de uma das periferias do Brasil. É pedagoga (UERJ). afrofuturista autopublicada. Lançou a Duologia Brasil 2408, composta por (In)Verdades e (R)Evolução (2016-2017), Sankofia: breves contos afrofuturistas (2018) e Ìségún (2019, Col. Universo Insólito, Monomito Editorial). Escreve sobre afrofuturos entre periferias metaforizadas ou não, mixando ancestralidades, cultura, mítica, realidades e história negra. Além de artigos, ensaios e pesquisas relacionadas.

 

Ana Beatriz Almeida. Foto do projeto “O Retratista” de Nicolas Soares

Encontros afro-diaspóricos: a performance como dispositivo da oralidade

com Ana Beatriz Almeida, mediação Deri Andrade

Evento fundamentado na promoção e fomento da tradição oral, a partir de uma perspectiva decolonial de transmissão de conhecimentos no campo da performance. A artista e curadora Ana Beatriz Almeida apresentará sua pesquisa nas tradições corporais negras das comunidades do Baba Egun e da Irmandade da Boa Morte. Desta forma, o encontro propõe um diálogo entre passado (oralidade) e futuro.

07.12 – segunda-feira – 18h às 20h

Atividade online

Inscrições: 22.10 a 19.11

Vagas: 100

Indicação: maiores de 16 anos

Link da inscrição

Ana Beatriz Almeida é mestre em História e Estética da Arte pelo MAC / USP- Universidade de São Paulo. Co-fundadora da plataforma de arte 01.01, curadora, artista visual e historiadora da arte com foco nas manifestações africanas e da diáspora africana.

Novos eventos

Como parte da programação do Mês da Consciência Negra da cidade de São Paulo, o Projeto Afro tem o prazer de divulgar mais uma série de encontros online.

Luciara Ribeiro. Foto: Divulgação

Curadorias em disputa: quem são as curadoras e curadores negras, negros e indígenas brasileiros?

Com Luciara Ribeiro, mediação de Deri Andrade

O evento abordará a pesquisa de Luciara Ribeiro, que propõe um mapeamento de curadoras e curadores negras, negros e indígenas brasileiros. No Brasil, o debate sobre a formação, consolidação e definição dos diversos modos de curadorias, assim como quem são os profissionais que atuam na área, ainda requer aprofundamentos. Compreender quem faz curadoria hoje é um dado fundamental para repensar as artes, seus espaços e autorias. Entender que essas autorias não são neutras, e que elas são marcadas, por exemplo, por fatores sociais, como classe, gênero e as relações étnico-raciais, é uma urgência nas artes brasileiras. Mediação de Deri Andrade, do Projeto Afro.

24.11 – terça-feira – 19h às 21h

Atividade nline

Público: público em geral

Link do YouTube em breve

Charlene Bicalho. Foto: Joana Quironga. Thiago Costa. Foto: Divulgação

Curta-metragem e videoarte: o pequeno formato como discurso político no audiovisual

Com Charlene Bicalho e Thiago Costa

O encontro será guiado por uma exibição ao vivo de curta-metragens/vídeos dirigidos por Charlene Bicalho e Thiago Costa. Na sequência, os palestrantes debatem suas produções e as relações dos temas propostos nos dois trabalhos. Os convidados também falam sobre o formato dos vídeos, com foco na alcance político-social que ambas as peças visuais podem proporcionar nos mais diversos debates estéticos, de gênero e de raça. Mediação de Deri Andrade, do Projeto Afro.

26.11 – quinta-feira – 19h às 21h

Atividade nline

Público: artistas, curadores, pesquisadores, estudantes de cinema e artes e interessados em geral

Ao vivo no YouTube

Mirella Maria. Foto: Divulgação

Projeto Afro para o futuro: a pedagogia anticolonial a partir da plataforma online

Com Mirella Maria, mediação de Deri Andrade

Proposta de uma aula aberta, com finalidade pedagógica, utilizando a plataforma do Projeto Afro enquanto recurso para o encontro, a pesquisadora e artista Mirella Maria abordará práticas decoloniais pedagógicas em trabalhos de artistas mulheres mapeadas pelo projeto. Mediação de Deri Andrade, do Projeto Afro.

28.11 – sábado – 15h às 17h

Atividade online

Público: professores, educadores e público em geral

Ao vivo no YouTube